Desemprego cai em 16 estados em 2019, mas 20 têm informalidade recorde

  • 14/02/2020
  • 0 Comentário(s)

Desemprego cai em 16 estados em 2019, mas 20 têm informalidade recorde

A taxa média de desemprego caiu em 16 estados do Brasil em 2019, acompanhando a média nacional, que recuou de 12,3% em 2018 para 11,9% no ano passado. Apesar da queda, a taxa de informalidade atingiu o maior nível desde 2016, tanto no Brasil (41,1%) quanto em 20 estados.

O termo se refere à soma dos trabalhadores da iniciativa privada e domésticos sem carteira assinada, empregadores sem CNPJ, trabalhadores por conta própria sem CNPJ e trabalhadores familiares auxiliares.

A população ocupada aumentou no Brasil (2%) e em 23 estados, totalizando 93,4 milhões de trabalhadores em 2019. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) e foram divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 

Informalidade sustenta queda no desemprego A analista da pesquisa, Adriana Beringuy, explica a relação entre o aumento da população empregada no país e o aumento da informalidade. Mesmo com a queda no desemprego, em vários estados a gente observa que a taxa de informalidade é superior ao crescimento da população ocupada. No Brasil, do acréscimo de 1,819 milhão de pessoas ocupadas, um milhão é de pessoas na condição de trabalhador informal. Em praticamente todo o país, quem tem sustentado o crescimento da ocupação é a informalidade.

O IBGE informou que 18 estados tiveram taxa média de informalidade maior que a nacional, variando de 41,2%, em Goiás, até 62,4% no Pará. Em 11 desses 18 estados, a taxa de informalidade ultrapassou 50%, e apenas Distrito Federal (29,6%) e Santa Catarina (27,3%) tiveram taxas de informalidade abaixo de 30%.

Desemprego por região As maiores taxas de desemprego foram registradas no Amapá (17,4%) e na Bahia (17,2%). As menores, por sua vez, foram registradas em Santa Catarina (6,1%) e nos estados de Rondônia, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, com 8% na média anual.

Desocupação caiu no 4º trimestre A taxa de desocupação no quarto trimestre de 2019 foi de 11%, caindo 0,8 ponto percentual em relação ao terceiro trimestre de 2019 (11,8%). Na comparação com o quarto trimestre de 2018 (11,6%), houve queda de 0,6 ponto percentual.

Subutilização tem leve queda A taxa média anual de subutilização de 2019 ficou em 24,2%, pouco menor que a de 2018 (24,3%). Entre os estados, as maiores taxas médias anuais foram registradas no Piauí (42%) e Maranhão (40,5%) e as menores em Santa Catarina (10,9%), Mato Grosso (15%) e Rio Grande do Sul (15,6%).

A subutilização leva em conta: pessoas desocupadas (não trabalham, mas procuraram trabalho nos 30 dias anteriores à pesquisa) pessoas que gostariam de estar trabalhando mais horas por dia pessoas que gostariam de trabalhar, mas não procuraram trabalho nos 30 dias anteriores à pesquisa, ou procuraram mas não estavam disponíveis para trabalhar no momento da pesquisa.

Metodologia da pesquisa A Pnad Contínua é realizada em 211.344 casas em cerca de 3.500 municípios. O IBGE considera desempregado quem não tem trabalho e procurou algum nos 30 dias anteriores à semana em que os dados foram coletados. Existem outros números sobre desemprego, apresentados pelo Ministério da Economia, com base no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Os dados são mais restritos porque consideram apenas os empregos com carteira assinada.

Do UOL, em São Paulo.

0 Comentários


Deixe seu comentário


Aplicativos


Locutor no Ar

Bom dia Sertão

Bom Dia Sertão

05:00 - 07:00

Peça Sua Música

Nome:
E-mail:
Seu Pedido:


Top 5

top1
1. Maiara e Maraisa

Ai eu Bebo

top2
2. Turma do Pagode

Deixa em off

top3
3. ANAVITÓRIA, Vitor Kley

Pupila

top4
4. Marília Mendonça

Todo Mundo Vai Sofrer

top5
5. Léo Santana, Anitta

Contatinho

Anunciantes